20/04/2001 - Augusto

Quero saber da evolução genetica da raça hampshaire no Brasil e qual cruzamento e o mais recomendado.

R.A respeito da sua consulta sobre a raça HAMPSHIRE, o que temos nos nossos arquivos segue abaixo:

Origem: E.U.A. Hampshire
Pelagem: Preta com Faixas brancas nas cruzes, e membros anteriores.
Orelhas: Asiáticas.
Perfil Cefálico: Concavilíneo.

Resultado de teste de Granja (TG) no estado do Paraná, no ano de 1.999, onde os animais foram testados do nascimento aos 154 dias de idade.

Machos Fêmeas
Número de animais testados 16 18
Ganho de Peso Diário (g) 573,07 542,22
Espessura Toucinho mm (ajustada 90 Kg) 13,73 14,93
Produtividade da Fêmea.
Número de Leitegadas analisadas 146
Média de Leitões Nascidos 9,29
Média de Leitões aos 21 dias 8,78
Peso Médio Leitegada aos 21 dias (Kg) 46,25

Os suínos Hampshire, foram introduzidos nos Estados Unidos por volta de 1.825 e já em 1.935 existiam grandes criações no Estado de Kentucky, de onde se espalharam para os estados de Illinois, Indiana, e Ohio, e os primeiros registros de importação por parte de produtores brasileiros foram nos anos de 1.915.

De acordo com o padrão adotado, o Hampshire americano era destinado a produção de carne, devido a sua boa qualidade de carcaça, e normalmente usado a linha macho, com predominância da utilização de reprodutores desta raça, cruzados com fêmeas Large-White ou Landrace, visando maior rusticidade, e melhorar a carcaça e qualidadede carne dos filhos, deste cruzamento.

Provavelmente a baixa utilização destes animais no Brasil, deve-se a alguns conceitos errôneos, como dificuldade de depilar, no momento do abate, principalmente, nos abates domésticos, com água quente, e ou lança-chamas, que os produtores e açougueiros utilizavam, é possível que o abate industrial, em frigoríficos, teria quebrado esta barreira inicial da introdução com maior sucesso destes animais no plantel brasileiro. E ainda o avanço das raças brancas Large-White, e Landrace (modismo), proporcionou uma menor importação destes animais nos últimos anos, e uma diminuição da continuidade dos trabalhos de melhoramento genético, da população existente.

Devemos ressaltar que nos últimos 7 anos não consta registro genealógico de animais Hampshire nas associações de criadores de suínos no Brasil.


<--Voltar