03/02/2001 - A.F. (Fortaleza / CE).

P: Solicito informações sobre identificação de suínos.

R: Recomendamos como identificação dos suínos dentro de uma granja o seguinte programa:

Identificação de Matrizes e Reprodutores. Poderá usar brincos numerados e de cores diferentes (colocados com alicate especial, na orelha do suínos). Poderá usar ainda o sistema australiano de identificação com (mossa) nas orelhas, este tipo de identificação é usado por granjas de produtores de material genetico (venda de matrizes e reprodutores) e é o sistema recomendado pela ABCS (Associação Brasileira de Criadores de Suínos). Veja desenho anexo com exemplos de numeração das mossas.

{short description of image}

O sistema australiano, que é a marcação oficial recomendado pelas Associações de Criadores de Suinos em todos os estados no Brasil.

A marcação de suínos pelo sistema australiano, é feita mediante mossas aplicadas nas orelhas. Cada mossa tem um valor convencional. Além das mossas nas bordas das orelhas, são usados furos no centro, que representam: o furo na orelha direita representa 400; o furo na orelha esquerda representa 800. Com o sistema australiano podemos identificar os números de 1 a 1.621 da seguinte forma:

Orelha direita:

Cada pique embaixo da orelha corresponde a 1, em cima a 3, e na ponta 100, e o furo no centro a 400.

Orelha esquerda:

Cada pique embaixo da orelha corresponde a 10, em cima a 30, e na ponta 200, e o furo no centro a 800.

O ideal e que a marcação seja feita ao nascer, ou no máximo quando os leitões tiverem 12 dias de idade.

Observação:

Os piques podem ser usados na seguinte freqüência máxima: piques e furos: 800 - 400 - 200 - 100; só podem ser usados uma vez.

Os piques 10 - 1; podem ser usados no máximo duas vezes.

Os piques 30 - 3, podem ser usados no máximo 3 vezes.

Podemos ainda usar tatuagens, feitas com alicates (tatuadores) onde identificamos cada animal com o número do lote, e ou com o dia do nascimento.


<--Voltar